Aluna da FEF participa de programa no Instituto Onça-Pintada

Geral Da Redação em 31 de julho, 2020 13h07m
Facebook Twitter Whatsapp

Sofia Polizelle, aluna do 6º período de Ciências Biológicas da Fundação Educacional de Fernandópolis, vivenciou nos últimos dias uma experiência fantástica que qualquer biólogo sonharia em participar.

Entre 460 candidatos, Sofia foi uma dos 20 candidatos selecionados para participar de um programa de voluntariado do Instituto Onça-Pintada, em Mineiros/GO, no período de 02 a 26 de julho.

O Instituto Onça-Pintada é a única ONG dedicada exclusivamente a promover a conservação dessa espécie, por meio de pesquisa científica nos biomas onde ela ocorre (Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Mata Atlântica) (conservação in situ), e também em cativeiro, por meio de seu Criadouro Científico com finalidade de Conservação (conservação ex situ).

De acordo com Sofia, participar do programa foi uma experiência diferente e muito interessante. No IOP, ela teve oportunidades únicas, como conhecer diferentes tipos de animais (Onças, Jacarés-açu, Queixadas, Pacarana) e acompanhar todo o manejo deles pelo instituto.

Alimentar os animais, erguer telas para ajudar na construção de novos recintos, coleta de sêmen, análise cardiológica, microchipagem, coleta de sangue, vermifugação, brincagem, foram apenas algumas das ações realizadas pela estudante, durante seu período no programa.

“No IOP, nós fazíamos de tudo um pouco. Também pude conhecer o Projeto Queixadas, que atua na região do Parque Nacional das Emas, e até mesmo conhecer o parque, que também abriga uma diversidade de animais. Em relação a Biologia, tive uma grande contribuição para os meus conhecimentos, como entender de que modo funciona um projeto de conservação, conhecer um pouco mais sobre a região do cerrado e de todos os animais que vivem lá. Fora que, durante a viagem, pude perceber a diferença nas vegetações entre o estado de São Paulo e Goiás, onde o predomínio da agricultura é bem maior - várias plantações de milho e cana de açúcar, a perder de vista”, relatou Sofia.

A estudante também frisou a dificuldade em realizar seu sonho durante a pandemia. Em meio ao projeto de voluntariado, de acordo com ela, várias pessoas desistiram por ter suas passagens canceladas ou empregos afetados. Graças ao Instituto Onça-Pintada, que tomou todos os cuidados necessários, nossa aluna pode vivenciar e apreciar ainda mais o sistema biológico que compõe a fauna e a flora brasileira.

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp

Comentários