Ministério da Saúde debate manual técnico para casos de abortamento

Geral Da Redação em 29 de junho, 2022 18h06m
Facebook Twitter Whatsapp

Em um debate entre entidades interessadas no tema, instituições, especialistas e sociedade, os representantes do Ministério da Saúde ouviram contribuições para a publicação “Atenção Técnica para Prevenção, Avaliação e Conduta nos Casos de Abortamento”. A Audiência Pública ocorreu na terça-feira (28) na sede da Pasta em Brasília (DF).

Cerca de 30 pessoas foram convidadas pela Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS), entre juristas, médicos, professores e parlamentares. A lista considerou as diversas posições dos convidados sobre o tema para garantir um debate equilibrado e plural. Participantes que pediram para se manifestar durante a audiência e não estavam na lista inicial de convidados também tiveram espaço.

O secretário de Atenção Primária, Raphael Câmara, presidiu a Audiência. "O Ministério da Saúde quer diminuir a mortalidade materna e ele precisa realmente focar no que mata as mulheres. Com isso, também vamos focar nas mulheres que morrem por aborto. É mortalidade por hemorragia, por infecção, por hipertensão. A gente é obstinado a diminuir tudo isso", afirmou.

A diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas da Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Lana de Lourdes, abriu o evento e apresentou as orientações e diretrizes propostas na versão inicial do manual. “Atenção humanizada significa promover acolhimento, informação, orientação e suporte emocional no atendimento”, reforçou.

Publicidade

O objetivo da publicação é apoiar gestores, profissionais e serviços de saúde nas abordagens de casos de abortamento, oferecendo acolhimento humanizado, atenção qualificada e efetiva às mulheres.

De acordo com o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), Hélio Angotti Neto, a publicação "preza princípios bioéticos, tratamento digno e respeitoso, a escuta, o reconhecimento e aceitação das diferenças, o respeito ao direito de decidir das mulheres e homens, assim como acesso e a resolutividade da assistência”.

A Audiência foi transmitida pelo canal do Ministério da Saúde no Youtube, e a população participou enviando perguntas para um e-mail disponibilizado ao longo do debate.

"Vamos pegar essas sugestões, analisar e certamente iremos aperfeiçoar o manual. Ao todo, recebemos mais de 3 mil contribuições e todas serão avaliadas, discutidas e iremos acrescentar o que for necessário", afirmou o secretário Raphael Câmara.

Publicidade
Compartilhe esta notícia:
Facebook Twitter Whatsapp

Comentários