Dois são detidos por comunicação falsa de crime, roubo e, possivelmente, tráfico

Uma ocorrência ‘peculiar’ foi registrada no plantão policial de Rio Preto nesta segunda-feira (3). Dois homens serão investigados por comunicação falsa de crime, roubo e possivelmente tráfico de drogas. De acordo com informações do boletim de ocorrência, a história começou por volta de 17h20 quando policiais militares foram acionados ao Jardim Paraíso devido a uma ocorrência de roubo de uma moto Fazer preta.

Geral Da Redação em 04 de outubro, 2022 16h10m

Uma ocorrência ‘peculiar’ foi registrada no plantão policial de Rio Preto nesta segunda-feira (3). Dois homens serão investigados por comunicação falsa de crime, roubo e possivelmente tráfico de drogas. De acordo com informações do boletim de ocorrência, a história começou por volta de 17h20 quando policiais militares foram acionados ao Jardim Paraíso devido a uma ocorrência de roubo de uma moto Fazer preta.

Na zona de baixo meretrício, os PMs avistaram um indivíduo desembarcando do referido veículo e entrando em uma das casas do local. Eles abordaram o envolvido, um homem de 34 anos. Na revista pessoal, nada ilícito foi encontrado com ele, que ao ser questionado afirmou “que não sabia da motocicleta, inclusive não sabia de motocicleta nenhuma”.

Ele recebeu voz de prisão e foi conduzido até a Central, onde apresentou-se um outro homem, este de 33 anos, e relatou que mora em Catanduva, tendo vindo para Rio Preto para trazer um amigo no período da manhã e conheceu o outro envolvido, que segundo ele mora em uma casa abandonada, por acaso. Ele estacionou a moto em frente a casa, deixou a chave no contato e foi ingerir bebidas alcóolicas e usar crack.

Já no período da tarde, constatou que a moto havia sido furtada. Ele foi a pé até o Centro da cidade e ao passar próximo ao ‘ARE’, local com grande fluxo de moradores de rua, foi cercado por três deles, sendo que um o segurou pelo braço enquanto que o outro roubou o celular dele. No depoimento afirmou que não teve tempo suficiente para perceber as características físicas dos agressores.

Após emprestar um telefone de um estabelecimento comercial entrou em contato com a Polícia Militar comunicando que a moto dele havia sido “roubada”. Entrevistado, o acusado que estava com a moto contou que conheceu o colega pela manhã em um posto de gasolina próxima a avenida Alberto Andaló e que foram para a tal casa abandonada para usar crack, mas que ele não bebeu nada, apenas o ‘amigo’.

Ressaltou ainda que a moto foi emprestada a ele para buscar mais drogas e que quando foi abordado pelos PMs teve medo por não saber do que se tratava e por isso falou que não sabia nada do veículo. O delegado de plantão decretou a apreensão da moto, que foi encaminhada para o pátio de Cedral, já que a mesma está registrada em nome de terceiro, ausente durante a apresentação da ocorrência.

Publicidade

Ainda segundo o delega, há suspeita de que o morador de Catanduva possa ter cometido o crime de falsa comunicação de crime, caso ele tenha mesmo emprestado a moto ao outro envolvido para buscar mais entorpecentes e comunicado à polícia de que o veículo havia sido roubado. No entanto, o caso precisa ser melhor apurado para chegar a uma conclusão.

Em relação ao acusado, morador de Rio Preto, as versões controversas indicam possibilidade do crime de tráfico de drogas, mas como nenhum produto ilícito foi encontrado com ele, não se tem certeza da materialidade do crime, que era necessária para deliberar por uma prisão em flagrante. Assim os envolvidos foram liberados após prestarem depoimento e o caso será investigado.

 

 

Publicidade

Comentários

Notícias relacionadas